Uruguaias são as primeiras a votar nas Américas

A Constituição de 1917 concedeu às mulheres o direito de voto. Outro primeiro Uruguai. Embora a história seja obviamente mais complicada.
Por Karen A Higgs
Retrato de Paulina Luisi
Última atualização em 7 de março de 2023
139ações
anúncios

O Uruguai foi o primeiro país de todas as Américas – e um dos primeiros do mundo – a conceder às mulheres direitos civis plenamente iguais e o sufrágio universal (em sua Constituição de 1917), embora esse sufrágio tenha sido exercido pela primeira vez em 1927, no plebiscito do Cerro Chato.

Chega-se ao Cerro Chato pela Ruta 7, a 170 km da capital. A Rota 276 é uma estrada de duas pistas que percorre uma cordilheira suavemente ondulada conhecida como Cuchilla Grande. A rota foi originalmente forjada por tropeiros de tempos pré-coloniais conduzindo gado até o Brasil e o Paraguai. Tornou-se uma passagem clássica para gado, depois cavalos, carroças e, finalmente, diligências. Ao longo da Ruta 7, a cada 7 quilômetros, há uma vila – a diligência original para onde os cavalos foram trocados.

O Cerro Chato foi fundado na intersecção da Cuchilla Grande e uma segunda serra. Os rios que brotavam do Cuchilla Grande tornaram-se as linhas divisórias de três províncias ou departamentos (como são chamados no Uruguai) – Treinta y Tres, Durazno e Florida.

Em Cerro Chato, hoje, uma moradora pode morar em um departamento, mandar seus filhos para a escola em outro e visitar o médico local em um terceiro.

Os residentes podem votar no departamento de sua escolha (os cidadãos não precisam de comprovante de endereço para se registrar para votar em um local). É claro que isso leva ao registro tático de eleitores, como brincou um morador: “Somos um pouco sicilianos nesse sentido”.

Uma cidade não pode pertencer a três províncias, certo?

Em 1927 houve um chamado para resolver a situação e decidir de uma vez por todas a que província a cidade deveria pertencer. Assim, a localização da cidade foi submetida a um referendo local.

O movimento feminista teve grande visibilidade na época, liderado pela primeira médica do Uruguai, Paulina Luisi. Esta foi a era de Batlle - a sociedade uruguaia estava borbulhando com debates polêmicos e ações de direitos.

As mulheres de Cerro Chato não eram noviças políticas, muitas tendo participado de levantes políticos em 1897 e 1904. O direito de voto das mulheres foi anunciado como um princípio no Constituição do Uruguai de 1917, no entanto não foi colocado em lei até 1932.

Portanto, foi inesperado quando uma luz verde veio do governo – as mulheres podiam votar no referendo.

Uma foto em preto e branco de Paulina Luisi em sua formatura como médica
Paulina Luisi em sua formatura médica (Foto: Governo do Uruguai)

A campanha durou quase um ano com bailes e reuniões para arrecadação de fundos. As mulheres dirigiam dois dos três comitês de anexação. Quando os cadernos eleitorais abriram, Rita Ribeira, uma brasileira de 90 anos, afrodescendente (no Uruguai, o termo usado é 'afro-descendente'), foi a primeira pessoa a se registrar para votar.

Assim, pela primeira vez no Uruguai, as mulheres tiveram direito ao voto — para decidir o destino de uma cidade de seiscentas pessoas.

Então qual foi o resultado? Não é o que você poderia esperar

De acordo com um historiador local, os políticos de Durazno fraudaram o registro eleitoral em seu território, incluindo os moradores de uma pequena aldeia nos arredores de Cerro Chato, para aumentar seus números de votos. Em repúdio, moradores das outras duas províncias boicotaram a votação.

Houve um impasse e o resultado do referendo nunca foi anunciado.

Isso pode ter parecido um desastre político para a cidade.

Porém, ao contrário, o resultado tem sido altamente favorável ao Cerro Chato. Esta cidade de três mil habitantes tem três prefeituras e rendas em vez de um e seis parlamentares em vez de dois.

E o referendo de Cerro Chato seria uma exceção política para o sufrágio feminino por mais de uma década.

A primeira eleição nacional em que todas as mulheres votaram foi a Eleição geral uruguaia de 1938.

Foto da capa: Paulina Luisi

anúncios

ÚLTIMAS

O custo de comer fora no Uruguai

Tenha uma ideia de quanto você provavelmente gastará em comida e bebida ao comer fora em restaurantes e bares no Uruguai. Atualizado em 2024!

Popular

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Eu amo Montevidéu - trupe de candombe - por Jimmy Baikovicius

Vale a pena visitar Montevidéu

Montevidéu é freqüentemente ofuscado por Buenos Aires. Três blogueiros viajados contam o que os fez se apaixonar pela capital da América do Sul fora do radar.

Montevidéu gay

Montevidéu é a capital do país mais amigável da América do Sul. Conheça a versão do 'Orgulho' do Uruguai, conhecida como Marcha da Diversidade.

Link de cópia